AVANÇO TECNOLÓGICO

 

Femarh testa novo sistema de informação geográfica

 

 

A Fundação Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos – FEMARH apresentou nesta quarta-feira, 19, o Sistema de Informação Geográfica e Gestão Ambiental De Roraima – SIGGARR, permitirá agilidade nos processos de licenciamento e monitoramento ambiental.

De acordo com a técnica ambiental, Diana Kelly, o sistema desenvolvido pelo assessor técnico e especialista em Desenvolvimento de Banco de Dados Geográficos, Anderson Almeida, permitirá a simultaneidade de acesso pelos responsáveis por análises e despachos nas diferentes diretorias envolvidas na tramitação das licenças emitidas pela Femarh.

Com esse sistema será possível cruzar dados entre processos de um mesmo produtor que tenha diferentes atividades, além de dar celeridade nos serviços executados pela fundação, possibilita a construção de banco de dados de informações ambientais do estado de Roraima.

 

O Sistema de Informação Geográfica – SIG, é um conjunto de softwares, métodos, dados e usuários integrados, possibilitando o desenvolvimento de uma aplicação capaz de coletar, armazenar e processar dados georreferenciados. A utilização de SIG tornou possível melhorar o gerenciamento de informações e evoluir nos processos de tomada de decisão, nas áreas de transporte, gestão ambiental, planejamento municipal, estadual e federal.

Segundo o presidente da Femarh, Glicério Fernandes, é determinação governamental que os serviços prestado pela fundação seja célere, humanizado e dentro da legalidade.

“Queremos que o nosso usuário seja bem acolhido e que receba o melhor atendimento para a resolução de suas demandas”, finalizou.

O Sistema de Informação Geográfica e Gestão Ambiental de Roraima integrará dados geoespaciais de gestão territorial, como por exemplo, os limites municipais, unidades de conservação estaduais e federais, terras indígenas, áreas militares, projetos de assentamento, rodovias federais, estaduais e municipais. Bem como, informações ambientais, tais como, áreas licenciadas para supressão de vegetação nativa, planos de manejo florestal sustentável, e demais autorizações ambientais para diversas atividades (pecuária, grãos, agropecuária, entre outras), áreas embargadas e alertas de desmatamento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Skip to content